Utilizando a Drosophila melanogaster como alimento de killies

As moscas da fruta ou moscas de banana (Drosophila melanogaster) são um alimento que é facilmente aceito pelos killies, pois muitas espécies se alimentam de insetos que caem na água no seu habitat natural. Basta deixar uma fruta amadurecer demais em cima da pia da cozinha para que elas apareçam do nada.

Para alguns, esta fonte de alimento vivo já é suficiente para mudar a rotina de alimentação com ração e deixar os peixes mais saudáveis. Como não é nem um pouco fácil capturar estas mosquinhas que voam pela cozinha, vou ensinar um método que aprendi com um amigo de longa data, que é biólogo. Você deverá fazer (ou comprar) um aspirador de insetos e preparar o seu fôlego.

Uma das maneiras de se fazer um aspirador de insetos é você usar um frasco de vidro (ou plástico) pequeno, que tenha um tampa de rolha. Separe uns quarenta centímetros de mangueira de areação de aquários, um pedacinho de meia feminina e linha. Corte a mangueira em duas e amarre o pedaço de meia em um dos lados de uma. Faça dois furos separados na rolha para inserir as mangueiras (os furos não podem ser largos) e as insira de modo que o pedaço de meia amarrado fique dentro do vidro quando este for fechado com a rolha. Feche o vidro com a rolha e teste se não está passando ar, tapando com o dedo uma mangueira e assoprando a outra.

Aspirador de insetos

Se der tudo certo, é hora do teste final. Puxe ar pela mangueira no lado protegido com o pedaço de meia e aponte a outra para uma mosca que estiver pousada. Esta parte é importante: avise para algum eventual espectador que você não está comendo moscas. No começo elas conseguirão fugir, mas depois de praticar um pouco, você será capaz de capturar moscas em pleno vôo.

Assim que você estiver satisfeito com a sua coleta, coloce o aspirador na geladeira ou no freezer por alguns instantes (não congele as moscas, ok?). O frio irá deixá-las amortecidas e prontas para serem servidas para os peixes. Se alguma acordar e voar, terá uma história incrível pra contar pros amigos.

Assim você terá algumas moscas para dar para os peixes eventualmente. Porém, caso precise de uma quantidade maior de moscas ou não queira depender do clima, pois estas não aparecem na cozinha durante o inverno, você terá que criá-las em cativeiro.

Na minha opinião, o segredo para criá-las em cativeiro é muito simples e está na rotina de manejo dos frascos. Uma rotina seguida com certa disciplina ajuda a detectar eventuais problemas nas culturas mais cedo, permitindo que você os corrija antes de perder tudo. Fungos, formigas e fugas em massa já aconteceram nas minhas criações, mas sempre consegui retomar o controle dos rebeldes.

Você ainda irá precisar do aspirador de insetos e tudo irá ficar muito mais fácil se você utilizar moscas que não voam, obviamente, mas a rotina é a mesma para criar moscas selvagens ou a variedade de laboratório. Apenas a coleta é um pouco diferente. Lembre-se que as moscas que não voam ainda são capazes de andar e de pular.

Em primeiro lugar, você irá precisar de potes de vidro. Para começar, uns seis potes devem bastar. O tamanho? Do tamanho daqueles de palmito já está bom. Como você irá precisar cortar o meio das tampas, compre potes que venham com tampas de plástico. Compre um pedaço de TNT (tecido não tecido) em alguma loja de material escolar. Faça um buraco no meio das tampas de plástico, não um furo, mas um buraco grande. Tome cuidado para não entortar ou cortar a rosca da tampa. Corte um pedaço de TNT suficiente para cobrir a boca do pote e teste o novo lar das suas moscas, tampando o pode com o pedaço de TNT ente o pote e a tampa. Pronto! Agora faça isto mais quatro vezes.

Existem várias receitas de alimento para as larvas, esta é a que eu uso:

Vá para o fogão. Pegue uma panela, coloque água, um pouco de açúcar, vinagre e fubá. Fique mechendo o fubá com uma colher até dar o ponto. Para testar se está no ponto, use a colher para levantar um pouco da mistura. Quando cairem "pedaços" da colher, ou seja, já estiver viscoso mas não muito, desligue o fogo. Se quiser, pode ajudar a dar o ponto adicionando um pouco mais de fubá. Espere esfriar até ficar morno e adicione algumas pitadas de Nipagin (metilparabeno). Misture tudo bem misturado. Espere esfriar mais um pouco e coloque tudo em um vidro com tampa de plástico para guardar na geladeira (sim, este é o sexto vidro). Esta é a comida das larvas e um vidro cheio dela dura muito tempo.

Para iniciar uma nova colônia, pegue um dos vidros, lave-o e deixe-o bem seco. Cuidado com o pano que você irá usar pra secar o vidro, pois se alguma drosophila selvagem colocou ovos nele (e elas fazem isso), isto irá arruirar sua colônia, caso ela seja de drosophilas de laboratório. Para secar o vidro, eu uso papel higiênico. O mesmo cuidado com os ovos de moscas selvagem vale para o pedaço de pano (TNT) que você vai usar na tampa do pote de vidro.

No vidro limpo, coloque uma colherada da mistura. Com a colher, aperte a mistura até que ela fique grudada em um lado do vidro. Assim, se você balançar o vidro, a mistura não irá rolar e matar os moradores.

Cubra toda a superfície da mistura com fermento granulado para pizza, não deixe nenhuma parte da superfície da mistura sem fermento. Coloque umas dez ou quinze moscas e feche o vidro com a tampa furada e o TNT. Elas não precisam de luz e devem ficar em um local fresco. Depois de uns três dias, prepare outro vidro com mistura e transfira as moscas para a cultura nova. Tenha sempre dois ou mais vidros com moscas colocando ovos, pois acidentes acontecem.

Para transferir as moscas de um pote para outro, ou seja, para coletá-las, você irá precisar de um pote maior. Eu uso um daqueles de armazenar arroz (vazio e exclusivo). Faça o seguinte:

a) Moscas que voam:

Coloque o pote da colônia na geladeira. Prepare o aspirador de insetos e o pode de arroz. Assim que elas estiverem amortecidas pelo frio, abra a colônia e vire o seu conteúdo no pote de arroz, dando uns tapas para os moradores cairem. Tampe a colônia novamente (não se esqueça do TNT). Aspire as moscas adormecidas. Agora você poderá transferi-las para outra colônia ou servi-las para os peixes. Esta técnica só dará certo se você manteve o cronograma de troca de colônias a cada três ou quatro dias, pois se passar disto, o meio de cultura já estará mole por causa da ação das larvas e ao virar a cultura no pote de arroz... Uma grande meleca.

b) Moscas que só caminham e pulam:

O procedimento é o mesmo. Somente a etapa de adormecer as moscas com o frio é que pode ser pulada, se você tiver nervos de aço, reflexos de um lince e gostar de desafios.

Se tiver alguma dúvida, sinta-se a vontade para entrar em contato.

Artigos:

Comentários

Pegando carona na materia do André vou contar uma esperiencia que tive ha muitos anos atrás.

Nos idos dos anos 80 eu criava bettas como varios garotos pelo Brasil afora tinha na copa de casa um aquario marinho daqueles de corais mortos com dry wet etc e tal e usava sua tampa para criar microvermes  um dia deixei uma tampa do pote de microvermes meio aberta e surgiram larvas de moscas dai em diante as culturas mais velhas fui transformando em culturas de drosophilas.

muitas veses presenciei drosophilas sem asas com olhos pretos e até sem olhos,hoje sei poque isso acontecia pois drosophila e um dos seres que possuem os genes mais rececivos, por isso as mutações tão rapidas.

depois fui aprimorando minha criação colocava pão duro ai sim as bichas proliferavam tentei criar as sem asas mas eram menos ferteis que as com asas pois utilisava somente as larvas para os betttas como as que voavam ficavam soltas voando por cima dos potes (minha mãe ficava louca com isso)  tinha uma provisão de larvas quase que infinita.bem é isso galera. atualmente estou apanhando pra criar essas sem asas acho que vou temtar as com asas de novo.(acho que vai ser mais dificil convencer a esposa do que a mãe a deixa las soltas KKKK)Grande abraço a todos.

Bioleandro