As folhas mágicas.

 

Terminalia catappa, o nome é estranho? Certamente a planta não é desconhecida sua. Esta planta é conhecida no Brasil por vários nomes comuns, de acordo com a região ela pode ser chamada de Castanheira, Castanheira Portuguesa, Castanha da ìndia, Castanhola, Sete Copas, Chapéu de Sol e possivelmente outros nomes. Ela foi introduzida no Brasil pelos Portuguêses trazida da Índia no período de colonização do nosso país, adaptou-se perfeitamente aos diversos climas do nosso gigante e hoje se ninguém falar nada muita gente vai continuar pensando que ela é nativa, mas não é, é uma planta exótica. No exterior o nome mais comum é Indian almond leaves mas não é difícil ver a planta sendo chamada de folhas milagrosas ou folhas mágicas. 

Esta planta é hoje em dia alvo de diversas pesquisas farmacêuticas, um dos metabólitos presente em suas folhas já foi identificado como bactericida e fungicida entre outras possíveis aplicações. Ela é usada na medicina popular da Ásia a séculos e além disso é usada como tônico e coadjuvante no tratamento de peixes ornamentais, este segredo foi guardado por muito tempo pelos orientais e com o advento da internet essa informação finalmente vazou, embora pessoas mais informadas já tenham ciência do uso destas folhas no oriente aqui no Brasil ainda não se tem conhecimento, pelo menos não foram divulgados, da aplicação prática na criação e manutenção de peixes ornamentais.

 Quem conhece um pouquinho como é feita a criação de peixes na Ásia sabe que qualquer brasileiro se assustaria com a quantidade de peixes que são mantidos em tanques e viveiros, uma quantidade muito superior a qualquer média comumente conhecida e estabelecida entre nós. Ficamos imaginando que seria esperado um grande número de mortes e de problemas relacionados ao excesso de população em uma criação tão intensiva... mas não é o que ocorre, os asiáticos sempre assombraram os ocidentais com o volume de produção. Um dos segredos é a qualidade da água e é exatamente ai que a folha da Terminalia catappa entra. Na criação de peixes de corte, Tilápias por exemplo, a T. catappa é uma alternativa reconhecida ao uso de antibióticos.

Entre as qualidades que hoje podem ser encontradas testemunhadas em sites e fóruns das mais variadas nacionalidades estão:

  • Estimulante da reprodução;
  • Alto poder antifúngico;
  • Alto poder antibactericida;
  • Alto poder antiparasiticida;
  • Intensificação das cores dos peixes;
  • Melhoraria da saúde geral dos peixes;
  • Baixa o PH;
  • Simular condições de águas escuras (Black Water).

As folhas secas da Terminalia catappa são amplamente utilizadas por criadores de Bettas, Discos e demais peixes de água ácida principalmente, no entando é fácil encontrar referência de uso com diversas outras espécies como Rásboras, por exemplo. As folhas são usadas secas dentro do compartimento de filtragem, local de grande circulação de água na proporção de 1 folha para cada 15 galões, o que em litros dá 1 folha para cada 56L mais ou menos. Estas folhas hoje tem um forte comércio internacional sendo muito apreciadas por criadores de Killifishes e Discos europeus (principalmente Alemanha) e atualmente encontra um comércio em expansão entre os ciadores americanos que as têm adiquirido pela internet. Um saquinho contendo cerca de 10 folhas custa a bagatela de U$ 7,50 nos EUA.

Com tantas qualidades e tantas referências positivas, fico imaginando por que o Brasil que tem essa planta de norte a sul não há referências do seu uso ou experimentação... certamente espera-se que um grande site americano anuncie a venda para então a febre chegar até aqui.

Por que não tentar?

Se você ficou curioso a respeito acho que é totalmente válida uma experimentação, os criadores de Betta acostumados a usar a folha de bananeira no tratamento de algumas infecções têm ai uma excelente oportunidade para experimentar.

Para usar as folhas recomenda-se colhê-las ainda verdes e seca-las na sombra, isso evita que juntamente das folhas secas coletadas no chão sejam introduzidos no aquário agentes contaminantes que aproveitam a morte da folha para se instalar, obviamente o poder de defesa da folha é muito maior quando ela ainda está viçosa e saudável em seu galho. Após a coleta as folhas devem ser lavadas e dispostas para secagem, após a secagem basta dispô-las em local de grande circulação de água, neste caso os filtros. Vale lembrar que a folha, como mencionado acima, tingirá a água de uma coloração amarelada cor de chá, então, se você não aprecia a coloração, esteja avisado.

Efeitos esperados

Espera-se que os peixes reajam exibindo todo seu vigor, tenha baixa suscetibilidade a infecções e tenham suas cores intensificadas, estes são os efeitos gerais associados ao uso das folhas. Na reprodução é esperada diminuição e até ausência de ovos fungados (ovos brancos) bem como um aumento no número de alevinos sobreviventes aos primeiros dias.

Modo de Uso

Cada folha pode tratar até 56L (10G) de água. Simplesmente coloque a folha inteira no seu aquário ou qualquer recipiente com água e a deixe lá por pelo menos 5 dias ou até 10 dias para obter melhores resultados. A água irá gradualmente tornar-se cor de chá nos dias subsequentes, primeiro uma cor suave intensificando com o decorrer da aplicação. Se você tem um recipiente com menos de 56L pode-se aplicar as folhas em separado e ir diluindo a solução no recipiente que se quer tratar, mas pode-se ainda diminuir a proporção das folhas em relação ao conteúdo do recipiente. As folhas devem ser removidas após 10 dias de uso, visto que todas as suas propriedades benéficas, como o ácido taninico, já foram liberadas no tanque.

Para pequenos recipientes, como betteiras de criação, pode-se usar um recorte da folha de uns 3.5 a 7cm2 adicionado diretamente ao recipiente deixando-o lá por pelo menos 3 dias ou cinco para melhores resultados. O tratamento da água com as folhas da Terminalia catappa diminuem a necessidade de trocas desses recipientes de várias em uma semana para uma por semana, mesmo assim não deve-se deixar de fazer trocas.

Ficou curioso e vai tentar? Ótimo, observe o modo de preparação e uso citados acima e não deixe compartilhar os resultados.

 

 Fonte : Adaptado do texto http://www.thaisviana.com/ago/amendoeira.html
 Autor do texto original : Agostinho Monteiro.

Artigos:

Comentários

Artigo muito interessante!

Alguém aqui tem experiência com essa folha?
Aqui em Brasília quase toda quadra tem a árvore...

Estou pensando em utilizá-la num aquário comunitário, mas tenho alguns receios.
O aquário possui neons, lebistes, limpa-vidros e camarões.

Ela baixa o ph como um tamponador ou o ph baixa de forma ilimitada com sua presença? Como seria o procedimento para não baixar demais o ph de forma a prejudicar a fauna?
Por ter ação bactericida, a biologia do aquário corre algum risco?

Deixo meu obrigado a todos que possam responder e os sinceros parabéns pelo blog, que é excelente!

Abraços

Gabriel

Olá Gabriel,

Não sei qual seria o impacto do uso das folhas no Ph de um aquário comunitário ou se modificaria a biologia do aquário. O conselho que posso te dar é o seguinte: se o seu objetivo é o de curar algum peixe doente, utilize um aquário diferente para isso. Coloque o peixe em uma aquário menor e o devolva ao comunitário quando o tratamento acabar. Assim você não corre o risco de desequilibrar o seu aquário.

Abraço,

André Paes.

Oi André,

Como meu aquário começou a apresentar uma série de problemas ao mesmo tempo, resolvi testar o uso da folha.
Meu filtro é tipo calha e visto de cima para baixo a ordem é: flauta, perlon, esponja, cerâmica e finalmente o retorno da água.
Coloquei debaixo da esponja, ao lado das cerâmicas. Vou monitorar os níveis de amônia e PH pelos próximos 7 dias, pelo menos de 36 em 36 horas. Tomara que a coloração da água não se altere para que não dê resultados falsos nos testes.

Posto aqui conforme as coisas evoluírem, assim a gente tem uma idéia prática dos efeitos da planta.

Abs

Gabriel